Cordel e clássico na escola: leituras e releituras da tragédia de Shakespeare

Descrição

Esse e-book é resultado de um produto educacional vinculado à dissertação de mestrado intitulada O clássico na literatura de cordel e o processo de formação do leitor literário, desenvolvida no Programa de Mestrado em Ensino na Educação Básica do CEPAE-UFG (PPGEEB). Trata de uma proposta de estudo
a partir da clássica tragédia shakespeariana Romeu e Julieta e a sua adaptação para o cordel, feita por Sebastião Marinho. Vivemos em uma sociedade voltada para o lugar do dinamismo, da virtualidade, do consumo, da pressa, da busca do prazer fácil. Isso coloca à escola no complexo desafio de franquear às crianças e jovens o acesso a bens culturais, que, via de regra, é facultado a classes privilegiadas. Uma dessas possibilidades é a formação do leitor literário, sobretudo, o da obra clássica. Nesse sentido, este trabalho parte do pressuposto de que a formação do leitor literário de obras clássicas na escola é um direito do aluno, caso contrário, ela corre o risco de falhar na sua missão, pois a lacuna de tal leitura pode prejudicar a formação humana desse sujeito a quem a escola diz servir, como aponta Zilberman (1988) e o próprio Calvino (1993), o qual entende que a escola deve dar instrumentos para que o indivíduo possa escolher, posteriormente, qual será o “seu” clássico, tendo a escola o dever de fazer com que se conheça bem ou mal um certo número de clássicos.

Carvalho (2006) também apresenta argumentos para a formação desse leitor do clássico, pois ele relata que a escola é instituição que se constitui, principalmente, para a grande maioria da população brasileira e é a única mediadora de leitura que, teoricamente, tem entre suas funções a formação de leitores literários. Porém, a leitura do clássico, segundo ele, pode apresentar alguns entraves com relação ao leitor-alvo, crianças e jovens, como a maturidade cognitiva que, em tese, não permitiria uma aproximação totalmente satisfatória do livro original, o que poderia ser resolvido com a leitura de uma boa adaptação, como forma de garantir a incorporação do repertório canônico no horizonte de leitura para esse público infantil e juvenil, bem como o recurso mais eficiente para a iniciação literária. Ainda que discordemos na íntegra desse ponto de vista, sem dúvida, a possibilidade de se introduzir a obra clássica original pode ser um caminho viável para uma formação leitora eficiente do aluno.
O presente trabalho tem como público-alvo crianças de 10 anos, do 5º ano de uma escola pública e que tem na cultura popular as suas origens. Buscou-se na adaptação em cordel uma forma de mediar a leitura do clássico a este público. Ao abordar o clássico na literatura de cordel e o processo de formação do leitor literário, pretende-se dar à leitura de cordel um espaço de proeminência na escola, tendo em vista o modo como efetivá-lo para se formar leitores, a partir da escola, como aborda Marinho e Pinheiro (2012), até porque, em alusão às características da obra clássica, pode-se encontrar na própria literatura de cordel, um tipo de clássico da literatura popular.

Download gratuito deste livro através do link: Cordel e Classico na Escola (1)

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Cordel e clássico na escola: leituras e releituras da tragédia de Shakespeare”
Sem ofertas para este produto!